Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


RUAS SEGURAS

por @k, em 14.12.11

 

 

O Colóquio "Ruas Seguras: Educação para a Cidadania Rodoviária e Mobilidade Sustentável"

 

surge no âmbito do projecto da ACA-M intitulado “Mobilidade Sustentável e Segurança Rovoviária: um projecto de educação para as novas gerações”, financiado pelo Programa Gulbenkian Ambiente, da Fundação Calouste Gulbenkian.

 

Trata-se de um projecto de educação e prevenção destinado às novas gerações, que pretende lançar um programa de estudo multidisciplinar das envolventes rodoviárias dos estabelecimentos de ensino, com o objectivo de promover, entre os jovens, e toda a comunidade escolar, um melhor conhecimento das diversas problemáticas levantadas pelo actual paradigma de mobilidade rodoviária. Pretende-se, ao mesmo tempo, incutir nos jovens, um espírito de activismo cívico, mobilizando-os e incluíndo-os activamente na resolução dos problemas que, de forma directa ou indirecta, os rodeiam.

 

{#emotions_dlg.blocked}

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:46



 

   

Plano de emergência para bairros levou 5 anos a arrancar

 

Do 'arrastão' de Carcavelos aos confrontos do Tamariz, o Governo falhou na prevenção da violência e crime na sua origem.

O megaplano do Governo, anunciado há cinco anos como a grande bandeira de prevenção criminal para os "bairros de risco", mal saiu ainda do papel. A "Iniciativa Bairros Críticos" envolveu sete ministérios e visava uma intervenção de emergência em zonas urbanas socialmente vulneráveis e com problemas de segurança.

Este projecto foi a resposta arquitectada pelo Executivo para travar o alarme social provocado em 2005 pelo "arrastão" de Carcavelos e pelo assassínio de dois agentes da PSP, na Amadora, casos que mostraram os riscos iminentes para a segurança com origem nessas áreas.

As boas intenções, no entanto, colidiram com a demora na atribuição de financiamentos e na definição das acções a desenvolver. Cova da Moura, na Amadora, Vale da Amoreira, na Moita, e Lagarteiro, no Porto, foram os bairros seleccionados para o projecto-piloto. Mas aquilo que devia ser sido exemplar acabou por se arrastar e só nos últimos meses começaram a aparecer as primeiras iniciativas, embora sem grande expressão.

"As pessoas sentem uma enorme frustração com a demora destes processos", confessa o presidente da Junta de Freguesia do Vale da Amoreira. "Com o agudizar da crise, a situação que já era má há cinco anos ainda se deteriorou mais", lamenta Manuel Jorge da Silva, autarca naquele bairro há 12 anos.

Na Cova da Moura, a porta-voz da mais importante associação, o Moinho da Juventude, corrobora o desânimo. O plano de pormenor para a reabilitação do bairro só deverá ser aprovado em Setembro, mas o que mais desanima Godelieve Mersshaert é o desinteresse em acções que visavam, especificamente, "a prevenção da violência, através da inserção no mercado de trabalho ex-reclusos". "Estava tudo acertado em 2009 e ficou na gaveta", lamenta.

Sobre o Lagarteiro, o facto de, finalmente, a reabilitação dos edifícios começar em Setembro, deixa o presidente da freguesia, socialista, mais optimista. "Demorou a começar, mas agora há razões para sorrir", acredita Fernando Amaral.

Apesar de este megaplano incidir sobre apenas três dos mais de cem bairros problemáticos das áreas de Lisboa e Porto, os incidentes da praia do Tamariz, no Estoril, evidenciaram bem o falhanço do trabalho de prevenção, de inclusão social, que está a ser feito. A praia separada por uma linha invisível, brancos de um lado, negros do outro, deixou os turistas atónitos. "Já viajámos por muitos países, de grande multiracialidade, e nunca vimos nada assim", admitia então ao DN um casal de jovens alemães, a olhar do paredão para o areal do Tamariz.

Fonte

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:32

Outras Preocupações....

por @k, em 03.01.10

 

 

 

 

 

Faltam 100 carros à investigação criminal da PSP

 

Os carros descaracterizados têm normalmente mais de 200 mil quilómetros e não servem às necessidades de todos os elementos. A Associação Sindical de Profissionais de Polícia diz que há polícias a levar os carros pessoais para o serviço,  para evitarem avarias. A Direcção Nacional da PSP conhece  alguns problemas e diz que está a tentar combatê-los.

 

Carros com mais de 200 mil quilómetros, cerca de dez anos de vida ao serviço da PSP e que, numa perseguição, dificilmente chegam aos carros de alta cilindrada normalmente escolhidos pelos criminosos. Este é o retrato dos carros descaracterizados usados pelos investigadores criminais. Segundo a Associação Sindical de Profissionais de Polícia (ASPP), faltam pelo menos 100 viaturas descaracterizadas nas esquadras de norte a sul do País.

 Fonte:

 


  

PVA….

 

Continua-se a cair no mesmo lapso de sempre…..

 

As associações sindicais têm que se concentrar  e preocupar, é com a segurança e regalias profissionais dos seus associados.

 

Não há viaturas ?

 

Cumpre-se o horário à secretária que os Tribunais agradecem (assim... mais ao estilo de funcionário público, o que a avaliar pela Lei 12-A, nem se foge muito ao contexto).

 

Tudo o resto é, e deve ser sempre uma preocupação da tutela.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:33

 

Alerta do supervisor da banca alemã
Lavagem de dinheiro actual faz de Al Capone um aselha
Os métodos de "lavagem" de dinheiro hoje existentes a nível mundial "são tão sofisticados que fariam Al Capone parecer um aselha", afirmou hoje o presidente da Agência de Controlo da Banca alemã (Bafin).
Jochen Sanio afirmou, numa conferência em Berlim, que em comparação com as elevadas somas de dinheiro "lavado" infiltradas no circuito monetário - que segundo o Fundo Monetário Internacional atingem um bilião (um milhão de milhões) de dólares (cerca de 705 mil milhões de euros) por ano - os valores que o Estado consegue apreender "são ínfimos".
Na opinião de Jochen Sanio, a falta de cooperação a nível internacional facilita a tarefa dos criminosos, embora a Alemanha não seja o principal palco das "lavagens" de dinheiro, mas provavelmente o país onde ele chega já com aparência legal.
No mesmo fórum, o presidente da Polícia Judiciária Alemã (BKA), Joerg Ziercke, adiantou que os criminosos transferiram a "lavagem" de dinheiro para a Internet, e fazem negócios através de cartões de crédito ou de cartões pré-pagos de empresas como a Webmoney ou a Moneybookers, que podem adquirir anonimamente em muitos países.
Outro método é misturar dinheiro ilegal com dinheiro legal e aplicá-lo em jogos de azar nos casinos que pululam na Internet, e transferir depois os ganhos "lavados" para contas bancárias dos criminosos, através de firmas offshore.
A evolução tecnológica "limita cada vez mais a operacionalidade dos criminalistas, que deparam também com obstáculos territoriais, porque a sua jurisdição cessa normalmente nas respectivas fronteiras", advertiu Ziercke.
Segundo o chefe da BKA, em 2008 o número de queixas-crime por delitos monetários desceu 20 por cento, para 7350, na Alemanha, números semelhantes ao ano anterior, sem que, no entanto, haja indícios de que a "lavagem" de dinheiro diminuiu.
Mesmo assim, Ziercke considerou que há algumas tendências positivas, como o reforço da segurança dos processos de Online Banking (transacções bancárias através da Internet).
A expressão "lavagem de dinheiro" remonta ao lendário "gangster" norte-americano Al Capone, que nos anos 20 do século XX, investiu em lavandarias elevadas somas obtidas de formas ilícita, através do jogo, da chantagem, da extorsão ou da venda de bebidas alcoólicas durante a chamada "Lei Seca".
Fonte:    -
 

Por Vezes Acontece....
Mudam-se os tempos....aperfeiçoam-se as técnicas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:52

 

41 mulheres mortas pelos companheiros em 2008
Pelo menos 41 mulheres foram assassinadas em 2008 em Portugal pelos companheiros, anunciou hoje a União de Mulheres Alternativa e Resposta (UMAR), defendendo que este tipo de crime deve ser analisado separadamente no relatório de Segurança Interna.
De acordo com dados de um relatório da UMAR, elaborado com dados da imprensa e entregue hoje no Ministério da Administração Interna, em 82 por cento de 46 homicídios contabilizados o homicida foi o “outro membro ou ex-membro do casal”, fosse em situação de casamento, união de facto ou namoro.
“Este número assustador e trágico, que peca por defeito” devia ter sido tratado separadamente no Relatório Anual de Segurança Interna, considera a UMAR, argumentando que incluí-lo no universo de todos os homicídios cometidos “leva à incompreensão deste especialíssimo fenómeno criminal”.
O “homicídio perpetrado contra mulheres por maridos, companheiros e namorados” precisa de ser “invertido drasticamente”, o que passará por individualizar estes crimes nas estatísticas e fazer um “alerta social enviado pelos poderes públicos à sociedade que somos e que deve conhecer-se numa das suas mais profundas patologias”, defende a UMAR.
O relatório de Segurança Interna referente a 2008 contabilizou dez casos de morte por violência doméstica, situações em que as mulheres morreram em consequência das agressões sofridas.
Com os dados recolhidos na imprensa do ano passado, a UMAR traça um cenário bem mais grave: 41 mulheres mortas pelos companheiros em situações de violência conjugal, a que acrescem seis familiares – filhos, pais ou outros – também assassinados.
Em 28 dos casos, o assassino foi o companheiro da altura, fosse marido ou namorado, enquanto em 13 dos crimes, o homicida foi o ex-companheiro.
Em cinco situações elencadas, o agressor era descendente directo, familiar ou desconhecido.
A maioria das vítimas (20) tinha entre 24 e 35 anos. Quanto aos agressores, a maioria tinha entre 36 e 50 anos.
Fonte:  

 


Por Vezes Acontece....

 

É URGENTE FAZER QUALQUER COISA.....

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:49

 Situações de burla resultantes de aquisição de bens através da Internet - Alerta ao cidadão

A Polícia Judiciária tem em curso diversas investigações relacionadas com situações de burla resultantes da aquisição de bens através da Internet.
 
Muitas dessas situações correspondem a aquisições de bens de valor elevado, como sejam, viaturas automóveis, obras de arte e de colecção, verificando-se que a maior parte dos sites onde aparecem as propostas de vendas se encontram domiciliados no estrangeiro, levantando acrescidas dificuldades na investigação e na identificação dos responsáveis.

 

 

Fonte:   


 

Por Vezes Acontece....

 

Para quem costuma comprar online, PVA.... aconselha vivamente uma "saltada" ao sítio da Polícia Judiciária, e ler na integra o artigo indicado.

São ali produzidas algumas recomendações importantes, para que uma transacção através da internet,  se faça com um mínimo de segurança.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:58

Campanha 100% Cool (Injustiças)

por @k, em 13.05.09

 

GNR dá senhas de gasolina a condutores 100% Cool
A campanha tem contribuído para aumentar, ao longo dos últimos anos, o número de jovens que conduz e não bebe uma gota de álcool.
A GNR associa-se este ano, pela primeira vez, à campanha 100% Cool e vai sensibilizar e distribuir prémios simbólicos, como senhas de gasolina, aos condutores que tenham taxa de alcoolemia zero durante as acções de patrulhamento.

 

Fonte:

 


 

Por Vezes Acontece....
Acha que esta campanha é um pouco, injusta.....
Senão vejamos
E se o cidadão condutor já não for assim tão  “jovem” ?
- Mas também sabe que não pode beber quando tem que conduzir, e não o faz;
- Que, por força da sua profissão tem que se deitar cedo, para cedo erguer;
- Que por causa da crise ou por opção, não costuma frequentar bares; discotecas ou outros estabelecimentos de diversão nocturna;  
- Que, em face da sua localização (domiciliária e laboral), não circula habitualmente nas zonas de Santos; Bairro Alto e/ou 24 de Julho;
Sem nenhum destes requisitos preenchido,  este condutor exemplar.... não terá o privilégio  de ser presenteado com uma "senhazinha" de gasolina (que nos tempos que correm, é um óptimo prémio) e ainda para mais, recebida das mãos de um órgão de polícia criminal ???
É, ou não injusto ?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:50

Os carteiristas do 28

por @k, em 04.05.09

 

 

Acção no eléctrico
Os três carteiristas de boné, cercam a vítima na paragem da rua Conceição e, na confusão, roubam-lhe a carteira. O turista, de pulôver às costas, só dá pelo furto na estação seguinte.

 

(Reportagem de Hugo Franco e fotografias de José Ventura)


 

Por Vezes Acontece....

Mais uma excelente reportagem, com que o jornal   nos brinda.

 

Nada de novo para o profissional de segurança que presta serviço na cidade de Lisboa, e que se vê confrontado com dezenas de queixas diárias por este tipo de furto.

 

A detenção dos meliantes que se dedicam a esta prática, são tremendas,  uma vez que a enorme dificuldade reside exactamente na consumação do flagrante delito, e que a acontecer, torna-se um perfeito "achado".

 

Mas o assunto torna-se útil e actual, porque o cidadão fica com uma pequena ideia ácerca dos métodos mais utilizados na prática deste género de crime, e alerta todos aqueles que frequentam diáriamente os transportes que circulam pela cidade.

 

O autor no final da sua reportagem vai mesmo mais longe, aconselha os mais incautos da forma de se prevenirem contra os  "carteiristas", e  faz uma óptima tradução  da gíria que os mesmos utilizam, como forma de comunicação entre si.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:37

Objectivo Por Quotas....

por @k, em 27.04.09

 

 

 

PSP "não impõe números de detenções mínimos"
A Direcção Nacional da PSP esclarece quer diminuir criminalidade com "mais actividade operacional", não com números mínimos.
A Direcção Nacional da PSP esclareceu que definiu para este ano um aumento da "actividade operacional" em todo o país para diminuir a criminalidade mas que "não impõe números mínimos de detenções".
 A PSP "não impõe números de detenções mínimos", critério que "não faria sentido", tendo em conta que "não depende apenas da proactividade policial", mas sim de "outros factores a jusante da própria actividade policial", refere a Direcção Nacional da Polícia de Segurança Pública, num comunicado enviado à Agência Lusa.
 A PSP diz ainda que definiu para o ano de 2009 "a diminuição da criminalidade" através de um "incremento da actividade operacional a nível nacional".
Fonte:

 

Por Vezes Acontece ....
Criação de Objectivos Operacionais ?  Porque não ?
Quotas de detenções a cumprir ? E porque não ?
Mais a mais, numa Subunidade denominada Esquadra de Investigação Criminal, em que os seus profissionais têm uma função específica, por força das competências atribuídas pela Lei de Organização e Investigação Criminal.
Ao que constou na Comunicação Social, as instruções constam num papel afixado exactamente numa E.I.C.
E desde que as detenções efectuadas por esta ou outra subunidade com as mesmas características, sejam comunicadas e devidamente validadas pelo Ministério Público, que é a entidade com competência para o efeito, não vislumbra onde está o problema.
Mesmo um leigo na matéria, percebe que os objectivos destes profissionais (EIC), não são naturalmente os mesmos dos seus colegas que executam no dia-a-dia o serviço de Policiamento de Proximidade e/ou de Visibilidade, com todas as suas componentes – Escola Segura; Idosos; Comércio Seguro, etc.) onde aí sim, a prevenção da criminalidade deverá ser a norma.
Logo, não se misture.... o que não pode ser misturado.
Por vezes Acontece.... até vai mais longe....
Com o “excesso” de serviço que anda por aí à solta.....
Percebe-se que não iria ser muito dífícil cumprir com aquilo que é solicitado, assim a tutela conseguisse motivar os seus profissionais.
E aí, (a demora na aprovação de novos estatutos; corte de regalias sociais; remunerações e meios operacionais insuficientes) é que a “coisa” parece não ser nada fácil, e os números poderão ficar áquem do pretendido.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:51

 

 

Por Vezes Acontece....

 

As últimas palavras da Drª Maria José Morgado (Directora do DIAP - Departamento de Investigação e Acção Penal) na sua entrevista de hoje à RTP N, são suficientemente esclarecedoras:

 

- "Não, não acredito"

 

A quem interessa o protelar da aprovação de uma Lei que combata eficazmente a corrupção, que mina no dia-a-dia o Estado de direito?

 

Tem a palavra a classe política do país.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:35


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D